Beato apresenta o seu disco de estreia, Bonança

Beato nasceu rodeado de guitarras, farfisas, baterias e horas infinitas de cassetes de vídeo BETA com o melhor da música e dos telediscos dos anos 80. Foi em Cantanhede, onde nasceu, que começou a tocar guitarra e a escrever as primeiras músicas em bandas que criava com amigos do liceu.

Esta paixão levou-o, em 2005 e já em Lisboa, a começar o seu percurso com artistas como Flak, Jorge Palma, Rádio Macau ou GNR. Em 2011, juntamente com Nuno Figueiredo dos Virgem Suta, criou o projecto Ultraleve que viria a receber uma nomeação para um Grammy Latino. Seguiram-se bandas sonoras, produções de discos e até uma participação no Festival da Canção. Mas é agora, em 2022, que como Beato lança o seu primeiro disco de originais a solo, “Bonança”, que será apresentado em concerto no dia 20 de Outubro, no Auditório Carlos Paredes, em Lisboa.

Depois de conhecermos “À Beira-mar”, “Com justa causa”, “Assim na terra, como no céu” e “Nem te vi”, chega hoje às lojas e plataformas digitais o disco de estreia de Beato. Produzido pelo próprio e por Nuno Rafael, navega por universos de pop fresco, desembaraçado e cativante, repletos de canções de amor e desamor, de histórias de vidas como as nossas, que não deixarão os ouvintes indiferentes.

O disco abre com a já conhecida “Com justa causa”, uma canção que fala sobre desequilíbrios numa relação e a importância de não perdermos a nossa voz. Segue-se “Dia não”, que nos dá a liberdade de viver os dias em que não nos apetece falar, estar, nem ver ninguém. Seguimos para “À Beira-mar”, o tema de estreia de Beato, regado a mojitos e bolas de Berlim, com um toque de nostalgia pelo fim do verão – perfeito para este mês de regresso às rotinas. A quarta e a quinta canções deste alinhamento de excelência já são nossas conhecidas também. “Assim na terra, como no céu” confronta-nos com a fugacidade da vida, para depois nos lembrar que a devemos aproveitar em todo o seu esplendor, nos bons e nos maus momentos, enquanto aqui estamos. “Nem te vi”, um dueto com a cineasta e artista Joana Barra Vaz, traz-nos o desamor de um casal que já não se vê, mesmo dentro da própria casa. “Não sei se ria” leva-nos de volta à paixão, à vontade de se estar com quem se ama, quebrar rotinas e curar mazelas de outros tempos. A canção “Cobertura glacê” segue o tema lançado pela anterior: a paixão, o desejo de ter a “cena clichê, cheia de mel e cobertura glacê” que “até enjoa quem vê”. “Pé de chumbo” puxa-nos para dançar com um amor que torna “belo o vulgar” onde até os vizinhos são brindados com a toada desta dança. “Para me guiar” fala-nos sobre ausência e a saudade de alguém que já cá não está, mas que deixou ensinamentos que norteiam a vida. Fechamos esta viagem com “Antes que chegue o Natal”, num tom de corte e ruptura de uma relação que chegou ao fim, mas com a esperança de que ambos encontrem alguém que os faça novamente felizes.

Sobre o disco, Beato diz que «é uma coleção de músicas que já atravessaram outras vidas, mas que de alguma forma me foram acompanhando e eu a elas. Como nunca tinham sido editadas, esta era a forma de honrar esse percurso que fizemos juntos. O nome Bonança para o disco, veio da sensação que ficou quando ficou concluído. Apesar de um processo de composição, gravação muito harmonioso e tranquilo, a última fase foi bastante esgotante. A última fase é sempre esgotante. Quando acabou, ficou um silêncio e uma sensação de paz, primeiro porque havia mesmo silêncio, sem música para ouvir, ou acertos a fazer e depois porque a sensação era mesmo a de ter sobrevivido a esta viagem. E aqui o sobreviver refiro-me a chegar ao fim e encontrar neste disco todo o sentido de quando era só uma ideia. Fiquei em paz com o resultado. A decisão de fazer este disco trazia consigo alguns compromissos pois sabia que ia ter fases muito solitárias amplificadas pelas medidas de isolamento e distanciamento exigidas durante a pandemia.»

Bonança” foi produzido por Nuno Rafael e Beato, misturado e masterizado por João Bessa e gravado por João Pedreira nos Estúdios Valentim de Carvalho e Estúdio do Beato.
O disco conta com o apoio da Antena 1.

Já disponível em todas as plataformas digitais e nas lojas em CD e vinil.