Faria da Costa: Um Arquitecto da Praia das Maças

João Guilherme Faria da Costa, nasceu na vila de Sintra (1906).

Foi diplomado em urbanismo pelo Instituto de Urbanismo da Universidade de Paris (1935); fez a casa da Praia das Maçãs no Bairro dos Arquitectos (1935); licenciado em Arquitectura pela Escola de Belas Artes de Lisboa (1936); arquiteto urbanista; tinha uma casa de residência na Praia das Maçãs; funcionário dos serviços técnicos da Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização e Obras da Câmara Municipal de Lisboa (Janeiro de 1938 – Agosto de 1946); projecto de ampliação da Câmara Municipal de Sintra (1943); projeto de um restaurante com esplanada na Praia das Maçãs (1944); projecto do Cinema Carlos Alberto, na Portela de Sintra (1944); projecto do Edifício Casino na Praia das Maças (1945); professor da Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (Novembro de 1945); projecto do edifício na Avenida Heliodoro Salgado, em Sintra (1946); plano de urbanização de São José da Urca, freguesia de Colares (1946); projecto de reclassificação do Santuário de Santa Luzia, em Viana do Castelo (1948);  projecto de alteração e ampliação da Casa Rústica na Avenida do Atlântico, no Rodízio, concelho de Sintra (1948); vencedor do Prémio Valmor / Prémio Municipal de Lisboa em Arquitectura, com um edifício no Restelo (1952); projecto da piscina da Praia das Maçãs (1952); projeto da moradia Martinho no lugar das Marinhas de Banzão, freguesia de Colares (1955); projecto do posto de abastecimento de gasolina da Praia das Maças (1959).

Faleceu em Lisboa (1971).

O seu nome consta da toponímia das Azenhas do Mar, freguesia de Colares; o seu nome consta da toponímia do Bairro da Encarnação, em Lisboa (1971); o seu nome consta da toponímia da freguesia de Carnaxide, em Oeiras.

NOTA: Como a obra urbanística do arquitecto Faria da Costa é vastíssima, optamos por referenciar somente os trabalhos que fez no concelho de Sintra, com uma ou outra excepção.

Jofre Alves