Festival da Maçã Reineta (Fontanelas) entra na reta final, com a presença dos SMAS de Sintra

Hoje, feriado de 1 de novembro, última oportunidade para visitar o Festival de Maçã Reineta, que decorre no recinto multiusos da União Recreativa e Desportiva de Fontanelas e Gouveia, entre as 10h00 e as 20h00, e que conta com a presença dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Sintra (SMAS de Sintra).  À semelhança do que sucedeu no fim de semana, no stand dos SMAS de Sintra, o destaque recai na divulgação do sistema de recolha seletiva de resíduos alimentares (biorresíduos), que foi alargado a todo o concelho de Sintra desde o passado dia 1 de outubro.

Em nona edição, o evento promove um produto típico da região, comercializado de várias maneiras e feitios, incluindo em forma de doces, compotas e licores. No derradeiro dia, para além da venda de maçã reineta e produtos derivados e de artesanato, o festival vai ser palco do 1.º Encontro Local de Fanfarras que, durante a manhã, contará com um desfile pelas ruas de Fontanelas, com as atuações, no interior do recinto, reservadas para o período entre as 14h00 e as 16h30. O encerramento da animação e a atuação do grupo “Farra Fanfarra” está agendado para as 17h20.

Visando promover um produto típico da região, a maçã reineta, produzida por pequenos produtores, em regime de agricultura familiar de subsistência, o Festival da Maçã Reineta conta com o apoio, para além dos SMAS de Sintra, da Câmara Municipal de Sintra, União das Freguesias de São João das Lampas e Terrugem e A2S (Associação para o Desenvolvimento Sustentável da Região Saloia). A inauguração do festival, no passado sábado, contou com a presença do presidente do Município de Sintra, Basílio Horta, do presidente da União das Freguesias, Guilherme Ponce de Leão, e do diretor delegado dos SMAS de Sintra, Carlos Vieira.

Assumindo a sua corresponsabilidade na Estratégia Municipal de Educação e Sensibilização Ambiental, os SMAS de Sintra estão a sensibilizar os visitantes para as questões ambientais, em particular o sistema de recolha seletiva de biorresíduos, a valorização e a reciclagem de têxteis e máscaras, para além da necessidade de um uso eficiente de um recurso vital como a água.

Em destaque está a divulgação da recolha seletiva de resíduos alimentares, que foi expandida à totalidade do concelho desde o passado dia 1 de outubro, antecipando em mais de um ano as metas impostas a nível nacional de obrigatoriedade desta recolha no início de 2024. Com o alargamento efetuado no início do corrente mês, o sistema de recolha de biorresíduos, que os SMAS de Sintra lançaram para o terreno em outubro de 2020 através de um projeto piloto, passa de 200 mil para 385 mil potenciais aderentes, correspondentes a toda a população do concelho de Sintra.

Para aderir ao sistema, os munícipes apenas necessitam de preencher um formulário (também disponível no site dos SMAS de Sintra, em https://www.smas-sintra.pt/adesao-a-recolha-seletiva-de-biorresiduos/), sendo-lhe entregue um pequeno contentor (de sete litros) e sacos verdes. Os resíduos alimentares, tanto crus como os cozinhados, deverão ser colocados nesses sacos verdes que, depois de cheios e bem fechados, serão depositados nos contentores de resíduos indiferenciados (lixo comum). Quando chegam à Tratolixo, entidade que efetua o tratamento dos resíduos nos concelhos de Sintra, Cascais, Oeiras e Mafra, os sacos verdes são triados e encaminhados para valorização: composto orgânico ou produção de energia.